Notícias

Papiloscopistas do Instituto de Identificação identificam e localizam familiares de cadáver enterrado como indigente

27/06/2020 - Camilla Negre/Governo do Tocantins

A Polícia Civil do Tocantins, por meio do Instituto de Identificação, órgão vinculado à Superintendência da Polícia Científica, identificou e localizou familiares de um cadáver que já havia sido enterrado como indigente no ano de 2015. O trabalho de identificação foi realizado pelo Núcleo Especializado de Identificação Necropapiloscópica em parceria com o Instituto Médico Legal. Para tanto, foi realizado o exame papiloscópico e a inserção das impressões digitais do cadáver ignorado no Sistema Automatizado de Impressões Digitais (AFIS).

O uso desse sistema foi possível devido ao Acordo de Cooperação Técnica firmado em 2019 entre a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/TO) e a Polícia Federal (PF).  Com o acordo, o Instituto de Identificação começou a inclusão de impressões digitais de pessoas desaparecidos e cadáveres não identificados no Cadastro Biométrico de Desaparecidos (CADÊ) desenvolvido pela Polícia Federal. A partir do confronto positivo e identificação do cadáver, o Núcleo Especializado de Identificação Necropapiloscópica relançou as digitais no sistema da Polícia Federal, iniciou a busca ativa dos familiares.

A Diretora de Papiloscopia do Instituto de Identificação, Naídes Cesar Silva, destacou e reiterou a importância das parcerias firmadas entre as forças de Segurança Pública, Polícia Federal e IML em colaboração com os papiloscopistas no auxílio e busca por respostas. “Eles se empenham com amor em busca de uma resposta aos familiares que perderam um ente querido, ou que esteja desaparecido. Estamos sempre empenhamos e fortalecer esses resultados.”

Morte

Conforme o Boletim de Ocorrência registrado na Central de Atendimento da Polícia Civil de Paraíso do Tocantins, a vítima foi atropelada na rodovia BR-153 próximo ao Posto Milena no Município de Paraíso do Tocantins no dia 01/11/2015. O homem andarilho foi socorrido sem vida e não portava documentos, portanto não foi identificado na ocasião. O cadáver foi levado para o IML de Palmas onde foram coletadas as impressões digitais pelos papiloscopistas e todos outros procedimentos necessários, mas foi sepultado como indigente.

Conforme o papiloscopista, Wiris Pereira Glória, especialista em Identificação Humana, “apesar do momento de dor e sofrimento dos parentes, a identificação dos corpos ignorados ou não identificados e a localização dos familiares são de fundamental importância para assegurar os direitos da família em confirmar a morte de um ente querido, além de garantir os desdobramentos jurídicos legais com relação aos direitos dos familiares”. O laudo será encaminhado à Delegacia de Polícia de Paraíso e anexado ao inquérito policial.